Filmes por gênero

A VALSA DO IMPERADOR (1948)

The Emperor waltz
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: La valse de l'empereur (França)
Il valzer dell'imperatore (Itália)
El vals del emperador (Espanha)
Kaiserwalzer (Alemanha)
Kejservalsen (Dinamarca)
Cesarski walc (Polônia)
Kejsarvalsen (Suécia)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Comédia Romântica, Música
Direção: Billy Wilder
Roteiro: Billy Wilder, Charles Brackett
Produção: Charles Brackett
Música Original: Victor Young
Coreografia: Billy Daniel
Fotografia: George Barnes
Direção de Arte: Hans Dreier, Franz Bachelin
Figurino: Edith Head, Gile Steele
Maquiagem: Wally Westmore
Efeitos Sonoros: John Cope, Stanley Cooley
Efeitos Especiais: Gordon Jennings
Nota: 8.1
Filme Assistido em: 1950

Elenco

Bing Crosby Virgil Smith
Joan Fontaine Johanna Augusta Franziska
Roland Culver Barão Holenia
Lucile Watson Princesa Bitotska
Richard Haydn Imperador Franz-Josef
Harold Vermilyea Chamberlain
Sig Ruman Dr. Zwieback
Julia Dean Arquiduquesa Stephanie
Bert Prival Motorista
Gene Ashley Tirolês
Cyril Delevanti Diplomata
James Vincent Abbe
Norbert Schiller Assistente do Dr. Zwieback
William Meader Guarda do Rei
Jack Gargan Mestre de Cerimônias
Paul De Corday Oficial húngaro
Jac Fisher Tirolês
John 'Skins' Miller Tirolês
Leo Lynn Tirolês
Jean Marshall Tirolesa
Renée Randall Tirolesa
Kathy Young Tirolesa
Doris Dowling Tirolesa
Roberta Jonay Camareira
Charles Stevens Grey Eagle

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Figurino (Edith Head, Gile Steele)

Oscar de Melhor Trilha Sonora de um Musical (Victor Young)

Grêmio dos Roteiristas da América

Prêmio de Melhor Roteiro de um Musical Americano (Billy Wilder, Charles Brackett)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Virgil Smith é um caixeiro viajante que parte para a Áustria nos anos que antecedem a Primeira Guerra Mundial. Seu objetivo é vender um gramofone para o imperador Franz-Josef, o que lhe abriria o mercado do país.

Ele chega à Viena no momento em que a duquesa Johanna Augusta Franziska e seu pai, o Barão Holenia, comemoram o fato de sua cadela poodle, Scheherezade, ter recebido a honra de ser escolhida para acasalar-se com o poodle do imperador.

Ao deixarem o palácio, a duquesa e seu pai encontram Virgil e seu fox terrier branco. Os dois cães se estranham, o que leva a uma discussão sobre diferenças de classes.

Scheherezade sofre um colapso nervoso, sendo tratada pelo veterinário Dr. Zwieback, que pratica uma psicologia freudiana e aconselha a duquesa Johanna a fazer com que sua cadela enfrente o fox terrier, a fim de dissipar seu medo.

Quando os cães voltam a se encontrar, faíscas românticas começam a surgir não só entre os animais, mas também entre seus donos. Virgil finalmente convence a duquesa Johanna de que seu verdadeiro amor por ela pode superar suas diferenças sociais, e pede sua mão em casamento ao imperador. Este se mostra

O Imperador é cordial e paternal com Virgil, tratando-o com respeito e até mesmo com uma certa admiração. Mas ele está certo de que Johanna nunca poderia ser feliz vivendo em Newark, New Jersey. Assim, o imperador promete ajudá-lo a conseguir mercado para o seu gramofone, o que levará a enormes vendas e lucros para ele, caso desista de Johanna.

Embora sentindo-se altamente insultado, por amar demais Johanna, ele mente para ela ao afirmar que a usou para ter acesso ao imperador, fazendo-se passar por um vilão.

Alguns meses mais tarde, quando Scheherezade dá à luz uma ninhada de cachorros brancos com manchas pretas, fica óbvio que eles foram gerados pelo fox terrier de Virgil e não, como todos pensavam, pelo poodle do Imperador. Temendo a reação de Franz Joseph, o Barão Holenia comunica-lhe que os filhotes eram natimortos e, secretamente, ordena que eles sejam afogados. No entanto, Virgil, que entrara furtivamente no palácio para ver Johanna pela última vez, consegue resgatar os filhotes e confronta o imperador. Indignado, este exige uma explicação de Holenia, castiga-o severamente e pede a Virgil que lhe dê os filhotes.

Furioso, Virgil continua a repreender o imperador e, sem saber que Johanna está a ouvi-lo, diz que nunca deveria ter concordado em desistir de seu grande amor. Johanna, então, confronta o imperador para dizer-lhe que é melhor ela ter uma chance de ser feliz ao lado de Virgil, do que nenhuma chance com alguém que ela não consiga amar. O imperador, finalmente, concorda com o casamento dos dois.

imagem

Comentários

Realizado pelo cineasta Billy Wilder, a partir de um roteiro por ele escrito ao lado de Charles Brackett, “A Valsa do Imperador” é um bom filme norte-americano produzido pela Paramount Pictures em 1948.

Embora não seja extraordinária, a direção de Wilder se mostra bastante segura, bastante clássica. Por outro lado, a fotografia de George Barnes é excelente, assim como o figurino a cargo de Edith Head e Gile Steele. Merece ainda ser citada a bela trilha sonora de Victor Young.

No elenco, Richard Haydn brilha no papel do Imperador, seguido pelas ótimas atuações de Bing Crosby e Joan Fontaine.

CAA