Filmes por gênero

MEUS QUERIDOS PRESIDENTES (1996)

My fellow Americans
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Politicamente... Incorrecto! (Portugal)
Président? Vous avez dit président? (França)
Mes chers concitoyens (Canadá)
Mis queridos compatriotas (Espanha)
Fuga dalla Casa Bianca (Itália)
Ein Präsident für alle Fälle (Alemanha)
Obywatele prezydenci (Polônia)
Мои дорогие американцы (Rússia)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Comédia
Direção: Peter Segal
Roteiro: Peter Tolan, Richard Chapman, E. Jack Kaplan
Produção: Jon Peters, Michael Ewing, Jean Higgins
Design Produção: James D. Bissell
Música Original: William Ross
Direção Musical: Michael Dilbeck
Fotografia: Julio Macat
Edição: William Kerr
Direção de Arte: Michael Rizzo, Gae S. Buckley
Figurino: Betsy Cox
Guarda-Roupa: Elaine Ramires, Deb Dalton, Lori DeLapp, Eileen Dunn
Maquiagem: Steve LaPorte, Wayne Massarelli, Linda Kamp
Efeitos Sonoros: Hank Garfield, Jeffree Bloomer, Terry Rodman e outros
Efeitos Especiais: Alan E. Lorimer
Efeitos Visuais: Jeff Matakovich, Ariel Velasco-Shaw, Janek Sirrs e outros
Nota: 7.8
Filme Assistido em: 1997

Elenco

Jack Lemmon Presidente Russell P. Kramer
James Garner Presidente Matt Douglas
Dan Aykroyd Presidente William Haney
Lauren Bacall Margaret Kramer
John Heard Vice Presidente Ted Matthews
Wilford Brimley Joe Hollis
Sela Ward Kaye Griffin
Everett McGill Coronel Paul Tanner
Bradley Whitford Carl Witnaur
James Rebhorn Charlie Reynolds
Esther Rolle Rita
Jack Kehler Wayne
Tom Everett Agente Wilkerson da NSA
Mark Lowenthal Agente Caldwell da NSA
Connie Ray Genny
Jeff Yagher Dorothy / Ten. Ralph Fleming
Leigh Rose Katherine Douglas
Lynn Clark Chrissy Kramer
Ken Enomoto Hiroshi Ashino
Gunnar Peterson Bruce
Scott Burkholder Greg
Francesca Rollins Reporter
Paul Feig Reporter
Jennifer Austin Marilyn Monroe
Tom Wright Jim
Madison Wellington Tina
Jennifer Leigh Jones Fran
Ann Cusack Guia de Turismo da Casa Branca

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

O senador republicano Russell P. Kramer, de Ohio, ganha a eleição presidencial ao derrotar, por pequena maioria, seu arquirrival governador democrata de Indiana, Matt Douglas. Quatro anos mais tarde, Douglas obtém uma esmagadora vitória sobre Kramer. Passam-se mais quatro anos, quando o ex-vice-presidente de Kramer, William Haney, derrota Douglas. Seu vice-presidente, Ted Matthews, é amplamente visto como um idiota, e se torna um incômodo constante para a administração. Três anos depois, Kramer passa seu tempo a escrever livros e a falar em diversas oportunidades, enquanto Douglas está terminando seu primeiro livro e passando por um processo de divórcio.

Enquanto isso, o Partido Democrata toma conhecimento de uma operação "Olympia", codinome dado a uma série de subornos praticados por um empreiteiro, Charlie Reynolds, pagos a Haney quando ele era vice-presidente. O presidente do Comitê Nacional Democrata, Joe Hollis, pede a Douglas para investigar o caso. Hollis oferece o apoio do Partido Democrata a uma corrida presidencial em troca de sua ajuda. Douglas aceita o apoio oferecido, esperando bater Haney e voltar para o Salão Oval da Presidência da República. Enquanto isso, Haney e seu Chefe de Gabinete, Carl Witnaur, manobram para enquadrar Kramer no escândalo. Algum tempo depois, quando os rumores começam a sugerir que ele se acha envolvido no caso “Olympia”, Kramer começa sua própria investigação.

O coronel Paul Tanner, agente do NSA, tenta falar para Douglas a verdade sobre a operação "Olympia", quando Kramer chega e encontra Douglas com o corpo assassinado de Charlie Reynolds. Antes que possam fugir, Douglas e Kramer são forçados, por funcionários da Casa Branca, a embarcar em um helicóptero, sob a alegação de que estão sendo levados a Camp David, a pedido de Haney. No entanto, ao verificarem que a aeronave está indo em outra direção, eles obrigam o piloto a fazer um pouso de emergência. Logo depois que pisam em terra, o helicóptero explode, deixando-os com a percepção de que a explosão fora planejada para matá-los.

Os dois decidem ir até a Biblioteca Presidencial de Kramer, em Cuyahoga Falls, Ohio, a fim de vasculharem os registros que marcam todo o período em que Kramer ocupou a Casa Branca. Depois de vários encontros com agentes do NSA, eles finalmente descobrem evidências das adulterações feitas para incriminar Kramer. Os dois decidem ir até a Casa Branca para enfrentarem Haney.

Com a ajuda da Chefe Executiva da Casa Branca, Rita, eles conseguem chegar até o Salão Oval, onde descobrem que Haney está falando com a imprensa. O coronel Paul Tanner, ao vê-los, os coloca em um quarto para hóspedes, mas eles utilizam um túnel secreto para escapar, sendo perseguidos. Quando Tanner está prestes a matá-los, é morto pelo Tenente Ralph Fleming do Serviço Secreto, que reconheceu os ex-presidentes.

Em seguida, Douglas e Kramer interrompem o discurso de Haney e o levam até o Salão Oval para terem uma conversa. Uma vez lá, eles mostram uma fita gravada na Biblioteca de Cuyahoga Falls, onde Carl Witnaur confessou todo o esquema elaborado para implicar Kramer na operação "Olympia". Haney nega ter conhecimento do assassinato de Charlie Reynolds e da explosão do helicóptero, mas concorda em renunciar, sob a alegação de ter problemas cardíacos.

Em seguida, Douglas e Kramer procuram o Vice Presidente Ted Matthews que, em princípio, deverá assumir a Presidência da República. Sem saber que está sendo gravado, Matthews admite que ele, e não Haney, tinha projetado toda a trama para se tornar presidente, pois sabia que Haney não chegaria ao final de seu mandato. Com a confissão gravada Matthews é enviado para a prisão.

Nove meses depois, Douglas e Kramer concorrem, como independentes, à indicação de seus nomes como candidato presidencial. Usando de uma esperteza, Douglas é o indicado para desgosto de Kramer.

imagem

Comentários

Realizado pelo cineasta Peter Segal, “Meus Queridos Presidentes” é uma interessante comédia de meados dos anos 1990. Sua trama gira em torno de dois ex-presidentes dos Estados Unidos, um democrata e o outro republicano, que se detestam cordialmente, mas que se unem para enfrentar o atual presidente, cujo governo é marcado pela corrupção.

Na direção, Segal realiza um bom trabalho, no que é ajudado por um roteiro muito bem estruturado. A música de William Ross é outro quesito que merece destaque. No entanto, o que mais me chamaram atenção foram as excelentes atuações de Jack Lemmon e James Garner, nos papéis principais.

CAA