Filmes por gênero

A FILHA DO EMBAIXADOR (1956)

The ambassador's daughter
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: La fille de l'ambassadeur (França)
La figlia dell'ambasciatore (Itália)
La hija del embajador (Espanha)
Die große und die kleine Welt (Alemanha)
Ambassadörens dotter (Suécia)
Córka ambasadora (Polônia)
Ambassadørens datter (Dinamarca)
Suurlähettilään tytär (Finlândia)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Comédia
Direção: Norman Krasna
Roteiro: Norman Krasna
Produção: Norman Krasna
Música Original: Jacques Métehen
Fotografia: Michel Kelber
Edição: Roger Dwyre
Direção de Arte: André Bakst
Figurino: Christian Dior
Maquiagem: Boris Karabanoff, Carita
Efeitos Sonoros: Joseph de Bretagne
Efeitos Especiais: Nicolas Wilcké
Nota: 7.2
Filme Assistido em: 1957

Elenco

Olivia de Havilland Joan Fisk
John Forsythe Sargento Danny Sullivan
Myrna Loy Sra. Cartwright
Adolphe Menjou Senador Jonathan Cartwright
Tommy Noonan Cabo Al O'Connor
Francis Lederer Príncipe Nicholas Obelski
Edward Arnold Embaixador William Fisk
Minor Watson General Andrew Harvey
Paulette Rollin Cantora
Claude Bessy Bailarina em "O Lago dos Cisnes"
Michel Renault Bailarino em "O Lago dos Cisnes"
Carl M. Leviness Cliente do Restaurante

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

O Senador Jonathan Cartwright e sua esposa chegam à Embaixada americana em Paris, numa missão para fazer com que os soldados americanos não tenham acesso à parte central da cidade. O Embaixador William Fisk e sua filha, Joan, dão as boas-vindas, mas são contra a ideia. Pouco depois, quando Joan sai com a Sra. Cartwright em um tour pela cidade, ela a apresenta ao seu noivo, o príncipe Nicholas Obelski, enquanto Fisk recebe outro visitante, o General Andrew Harvey, que ele espera ser contrário ao plano de Cartwright. Mais tarde, naquele dia, o Sargento Danny Sullivan e o Cabo Al O'Connor aproveitam-se de suas presenças de espírito para entrarem em um desfile de moda beneficente, cuja renda será doada à Cruz Vermelha. Os militares são observados de perto por Obelski, Fisk, Harvey e os Cartwrights.

Quando Sullivan e O'Connor flertam com Joan, que está participando do desfile como modelo, ela finge ser francesa e os avisa sobre a presença do general. Eles decidem ir embora enquanto se queixam de suas altas contas. Para evitar que o general repreenda os militares, Joan os acompanha até a porta de saída. Em seguida, ela explica a seu pai que eles desconheciam a alta taxa que teriam que pagar, fazendo com que o embaixador pague por eles. Quando Sullivan retorna para marcar um encontro com Joan, ela decide sair com ele a fim de provar que o senador Cartwright está errado. Embora o pai e o noivo da jovem sejam contrários à ideia, a Sra. Cartwright se coloca, divertidamente, como empregadora de Joan e, após conhecer os militares, ela lhe dá seu consentimento para sair com Sullivan.

Os dois decidem visitar a Torre Eiffel e, ao chegarem lá, Sullivan descobre que sua carteira sumiu e a acusa de ser uma batedora de carteiras. Sentindo-se ofendida, ela reage fortemente e, na discussão, deixa ser notado seu sotaque falso.  Depois que ele encontra sua carteira em um táxi, ela explica que está trabalhando na França sem visto e usa o sotaque como disfarce. Na hora do jantar, Joan se mostra apaixonada e o convida para, na noite seguinte, acompanhá-la ao teatro para assistirem “O Lago dos Cisnes”. Embora ela tenha um bilhete extra, Sullivan insiste em comprar os bilhetes para os dois. Ao final do jantar, ele se vê novamente em apuros ao verificar que perdeu sua carteira. Preocupada, Joan procura seu pai, na embaixada, que entra em contato com o proprietário do restaurante para pagamento da despesa. Pouco tempo depois, no entanto, a polícia devolve a carteira de Sullivan, que havia sido encontrada.

No dia seguinte, Sullivan compra bilhetes para o balé e, em seguida, vai até a Maison Christian Dior, na esperança de encontrá-la. Na ocasião, Joan não se encontra entre as modelos, mas logo depois ela chega com Cartwright, que deseja comprar um presente para sua esposa. Ao vê-la em companhia de um homem mais velho, ele pensa o pior sobre ela. Assim, ao se encontrarem mais tarde, ele a leva a um restaurante perto de seu hotel e faz várias observações sugestivas. Depois de derramar vinho no vestido da jovem, eles trocam insultos e ela vai embora. Ao chegar à embaixada, completamente decepcionada, Joan admite sua derrota, o que faz a Sra. Cartwright suspeitar que ela esteja completamente apaixonada. O'Connor, que se encontrava na embaixada, tomou conhecimento do ocorrido, mas ao voltar para o quarto que compartilha com Sullivan, no hotel, prefere não tocar no assunto.

Na noite seguinte, os dois vãos ao teatro onde, através de seus binóculos, veem Joan e o grupo em um camarote. Durante o balé, Sullivan diz a O'Connor que viu Joan na Maison Dior com um homem mais velho, fazendo com que este perceba que tal fato explica a forma como ela chegou à embaixada na noite anterior.  Sem que ele perceba, O'Connor vai até o camarote da embaixada e diz a todos o que realmente aconteceu. Durante o segundo ato, a Sra. Cartwright permanece no átrio e, mantendo seu disfarce de empregadora de Joan, conta para Sullivan o que, na verdade teria ocorrido.

Ao terminar o balé, Sullivan procura Joan, a presenteia com uma passagem aérea e lhe propõe casamento. Ela aceita sua proposta e pede desculpas ao desapontado Príncipe Nicholas Obelski.

imagem

Comentários

Escrito e dirigido pelo cineasta Norman Krasna, “A Filha do Embaixador” é uma boa comédia norte-americana produzida pela Norman Krasna Productions em 1956. Sua trama, que se passa na Paris de após guerra, conta a história de uma jovem americana, filha do embaixador dos Estados Unidos na França, que encontra por acaso um sargento americano e se apaixona perdidamente por ele, apesar de ser noiva de um príncipe.

Partindo de um roteiro bastante original e inteligente, a direção de Krasna se mostra apenas razoável. Por outro lado, os cenários e o figurino são muito bem cuidados, assim como a fotografia a cargo de Michel Kelber.

No elenco, Myrna Loy brilha no papel da Sra. Cartwright. Com atuações bastante convincentes, destacam-se Olivia de Havilland, Adolphe Menjou e Edward Arnold. Já John Forsythe, no papel do Sargento Danny Sullivan, deixa a desejar.

CAA