Filmes por gênero

SARGENTO YORK (1941)

Sergeant York
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Sergent York (França)
Il sergente York (Itália)
El sargento York (Argentina, Espanha, México)
El sargento inmortal (Venezuela)
Kersantti York (Finlândia)
York őrmester (Hungria)
Sierzant York (Polônia)
Сержант Йорк (União Soviética)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Drama, 1ª Guerra Mundial
Direção: Howard Hawks
Roteiro: John Huston, Harry Chandlee, Howard Koch, Abem Finkel
Produção: Hal B. Wallis, Howard Hawks, Jesse L. Lasky
Música Original: Max Steiner
Direção Musical: Leo F. Forbstein
Fotografia: Sol Polito
Edição: William Holmes
Direção de Arte: John Hughes
Maquiagem: Perc Westmore
Efeitos Sonoros: Oliver S. Garretson
Nota: 9.0
Filme Assistido em: 1948

Elenco

Gary Cooper Alvin C. York
Walter Brennan Pastor Rosier Pile
Joan Leslie Gracie Williams
George Tobias Ross
Stanley Ridges Major Buxton
Margaret Wycherly Mãe de Alvin
Ward Bond Ike Botkin
Noah Beery Jr. Buck Lipscomb
June Lockhart Rosie York
Dickie Moore George York
Clem Bevans Zeke
Joe Sawyer Sgt. Early
Gig Young Soldado
Harvey Stephens Capt. Danforth
Carl Esmond Major alemão
Pat Flaherty Sgt. Harry Parsons
Frank Wilcox Sargento
Charles Middleton Alpinista
Charles Trowbridge Cordell Hull
David Bruce Bert Thomas
Robert Porterfield Zeb Andrews
Erville Alderson Nate Tomkins
Tully Marshall Tio Lige
Douglas Wood Major Hylan

Prêmios

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Ator (Gary Cooper)

Oscar de Melhor Edição (William Holmes)

Círculo dos Críticos de Cinema de Nova York, EUA

Prêmio de Melhor Ator (Gary Cooper)

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Gravação de Som (Nathan Levinson)

Oscar de Melhor Trilha Sonora (Max Steiner )

Oscar de Melhor Direção (Howard Hawks)

Oscar de Melhor Roteiro Original (Harry Chandlee, Abem Finkel, John Huston, Howard Koch)

Oscar de Melhor Fotografia em Preto e Branco (Sol Polito )

Oscar de Melhor Direção de Arte - Decoração de Interiores (John Hughes, Fred M. MacLean)

Oscar de Melhor Ator Coadjuvante (Walter Brennan)

Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante (Margaret Wycherly)

Oscar de Melhor Filme

Círculo dos Críticos de Cinema de Nova York, EUA

Prêmio de Melhor Filme

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Em 1916, no Tennessee, Alvin York vive com sua mãe e os irmãos mais jovens, George e Rosie, numa fazenda cujas terras não são boas.  Juntamente com os amigos Ike Botkin e Buck Lipscomb, Alvin  é imbatível em jogos de tiro ao alvo.

Quando se apaixona pela bela Gracie Williams, ele lhe diz que vai trabalhar para conseguir uma boa fazenda e, assim, poder casar-se com ela.  Ao participar de um concurso de tiro ao alvo, ganha todos os prêmios, mas fica desapontado ao saber que Zeb Andrews comprara as terras que ele tinha em vista.  Ajudado pelo pastor Rosier Pile, ele se volta para a religião.

Quando os EUA entram na 1ª Guerra Mundial, Alvin encontra-se ensinando a Bíblia a um grupo de crianças.  Inicialmente, resiste à idéia de se alistar, pois 'matar' é contra seus princípios bíblicos.  Entretanto, aconselhado pelo pastor Pile, ele se despede da família e de Gracie e se alista no exército.

Durante os treinamentos, sua habilidade com o rifle chama a atenção do Oficial Comandante.  No entanto, ele recusa uma promoção e afirma que 'matar' é contra o 'Livro Sagrado'.  O Oficial lhe entrega um livro sobre a história dos EUA, com informações sobre Daniel Boone e outros homens que, no passado, lutaram pela liberdade, e lhe dá uma licença de 10 dias para que ele o leia e pense a respeito.

Depois de ler o referido livro, ele retorna ao exército convencido de que, muitas vezes, as pessoas devem lutar pela liberdade e pela Pátria.  Assim, após o período de treinamento, ele segue para o 'front', na França.

Em 8 de outubro de 1918, quando da ofensiva de Argonne, Alvin mata 28 alemães com 28 tiros e consegue capturar outros 132 soldados.  O então soldado é promovido a Sargento York e agraciado com a Medalha de Honra pelo General Pershing.

Ao terminar a guerra, Alvin retorna à sua terra e aos braços de sua amada.  Uma vez lá, recebe do Estado do Tennesse, a título de doação, uma boa fazenda, como gratidão por seus atos de heroísmo.

imagem

Comentários

Embora tenha assistido "Sargento York" em 1948, trata-se de um excelente filme que continua vivo em minha memória.  Baseado na vida real de Alvin C. York, e realizado pelo cineasta Howard Hawks, o filme apresenta várias facetas da vida:  lutas e celebrações, orgulho e humildade, fúria e reflexões, guerra e paz, ateísmo e fé.  A história fala de um drama, com poucas ações de guerra, aliado a um comovente romance e à paixão de um homem pela terra.

Para realização do filme, Alvin C. York, em pessoa, exigiu que ele fosse interpretado por Gary Cooper.  Embora trate-se de um pequeno detalhe, acho que Cooper, na época com 40 anos, achava-se com idade acima da ideal para representar o soldado Alvin.  Adicionalmente, contracena com Joan Leslie, uma jovem atriz de apenas 16 anos.  De qualquer forma, o importante é que ele dá um banho de interpretação, sendo agraciado com o Oscar de Melhor Ator.

No elenco, destacam-se ainda, por suas atuações, os atores Walter Brennan e Margaret Wycherly.  Nas cenas das batalhas, além de Cooper, os destaques vão para Joe Sawyer, como o Sgt. Early, Stanley Ridges, como o Major Buxton, e Carl Esmond, como o major alemão.

"Sargento York" conta, ainda, com um ótimo roteiro, a eficaz direção de Hawks e uma belíssima trilha sonora.

CAA